quarta-feira, outubro 24, 2007

Tratado de Lisboa




estava a ler o jn, on line claro, e vi la um inquérito sobre o tratado de Lisboa: se o mesmo deve ser ratificado por via referendária ou se deve ser a assembleia a decidir.



a meu ver deve ser a assembleia a decidir e sustento a minha opinião em 3 razões (aleatórias):



1º está sobejamente comprovado que não temos cultura referendista. os referendos têm sido flops autênticos;



2º este tratado não mexe no cerne da questão dos padrões de governação e jurisdição;



3º porque sou um europeísta convicto de a Europa é que o caminho é a Europa e não o conceito "orgulhosamente sós";

13 comentários:

R@Ser disse...

Olha esse tal tratado está a me doer a cabeça(hihihih)

Bjim doces

Mac Adriano disse...

Discordo só por um motivo: não gosto de mentirosos, as promessas são para se cumprir (embora no caso de Sócrates se possa dizer que as promessas são para não serem cumpridas). O Zé (o das Novas Oportunidades e não o Zé Manel) prometeu referendo, não sei se estão lembrados. Logo, para não ser mentiroso ao menos uma vez na vida, tinha que haver referendo.

Zé Povinho disse...

Discordo por dois motivos de peso:
1º Os nossos parlamentares não têm legitimidade para o aprovar, pois apresentaram-se ao eleitorado com a promessa firme de realizar este referendo.
2º Os cidadãos têm o direito de conhecer e discutir o tratado, o que só será possível com a realização do referendo.
Ser ou não europeísta não é relevante se não se conhecer um tratado que teremos de respeitar em caso de aceitação.
Abraço do Zé

Professorinha disse...

Por acaso não acho que a Europa é o caminho... Isto porque a Europa não nos dá o devido valor... Smos a porta de saída e de entrada da Europa e, no fundo, somos tratados como se fossemos o pior de todos...

O caminho para nós é mesmo o mar. Sempre foi... nunca nos virámos apra dentro... não acho que hoje seja esse o caminho...

Fica bem

adrianeites disse...

opiniões legitimas! que discordo!

Zé povinho: conheço as linhas mestras do projecto deste tratado e concordo com ele!

a meu ver temos de nos tornar mais fortes que os EUA e o Japão!

cp's

Crítica e denúncia disse...

Vejo que navegar é preciso...mas Portugal sendo a carta de entrada é porque é lindo, todo mundo quer passar por lá primeiro, antes de ir mais adiante rsrssrrs e eu que ainda não conheço, vou ter que conhecer, mesmo qua seja pela saída, para fugir às regras.
Te convido a palpitar num post sobre "conviver com as diferenças" que acabei de colocar lá no Críticas.

Beijão

Alda

Sol da meia noite disse...

Apesar dos referendos não cativarem muito as pessoas, são uma arma na democracia... e deve ser usada.

*

quintarantino disse...

Caro amigo, dispenso-me de comentar pois penso que já sabe a minha opinião.
Sou por mais e melhor Europa, mas não por uma construída um pouco à socapa das pessoas.
No mais, se não queriam referendo não o prometiam. Mas aí, enfim, até têm razão. Será mais uma promessa esquecida.

O Guardião disse...

Meu caro
Talvez conheça as linhas gerais do tratado, mas acredite que a grande maioria dos nosso deputados não conhece, e quanto aos cidadãos, nem se fala. A propósito das linhas gerais de qualquer coisa, na sua actividade deve estar consciente de que não são suficientes para apôr uma assinatura em qualquer contrato, correcto? O cerne da questão é o cumprimento dos compromissos assumidos e a divulgação do que encerra este tratado. Quanto ao que possa vir a ser decidido pelos cidadãos, e se houver o devido esclarecimento quanto ao assunto, será a Democracia a funcionar.
Cumps

Tiago R Cardoso disse...

Como já escrevi no Notas soltas, só a favor do tratado, só com a a discussão de um sim ou não ao tratado, se pode explicar muita coisa e não me digam que é muito complexo para o povo, primeiro tentem explicar para depois o povo dizer se percebeu ou não.

Belzebu disse...

Só há uma coisa que me faz pensar! Se por um lado o povo não tem cultura referendista, o que dizer em deixar a decisão para estes nossos políticos? Eu acho que nesta e noutras questões, deveriam ser os orgãos eleitos, a assumir a responsabilidade das decisões, até porque é para isso que são pagos, mas quando a qualidade dos eleitos é o que se vê, já não sei o que pensar!

Aquele abraço infernal!

adrianeites disse...

sol da meia noite:

são uma arma que só tem munição se 50% +1 dos eleitores votarem... cso contrário é polvora seca!

guardião: correcto! é necessário ponderar sempre! agora esta europa de 25 com presidencias rotativas não pode nunca seguir o caminho com a mesma intensidade.. terá sempre desvios, ou selecção de estradas menos indicadas!

Tiago: por referendo ou pela assembleia a informação terá de ser dada á população, informação essa que de resto não é nenhum bicho de sete cabeças!

belbezu: não havendo cultura referendista significa que se não houver a participação indispensavel para o referendo ser vinculativo significa que é sempre o hemiciclo quem decide!

Quintarantino: defendo que seja a assembleia a decidir... alheio-me ás promessas de Sócrates... ele prometeu tanta coisa!...lol

C Valente disse...

O tratado de Lisboa, o que é do que se trata , os politicos não o querem revelar e até dizem para justificar o não reverendo que é complicado, dando roda de burros aos restantes portugueses, não será que são eles as bestas que só vem o seu umbigo
Saudações amigas e um abraço ao Homem amigo